Nathanaël

Nathanaël é autora de vários livros, publicados em francês e inglês, no Canadá e nos Estados Unidos. Suas obras mais destacadas são: Paper City, Je Nathanaël, L’injure, L’absence au lieu, We Press Ourselves Plainly, Carnet de désaccords (finalista do Prix Spirale-Éva-le-Grand) e s’arrête? Je (2007), pela qual recebeu o Prix Alain-Grandbois, concedido pela Academia de Letras de Québec. As traduções de Nathanael incluem obras de Édouard Glissant, Catherine Mavrikakis e Hilda Hilst (este último em colaboração com Rachel Gontijo Araujo). Sua tradução de Murder, de Danielle Collobert foi finalista do Best Translated Book Award em 2014. Sua tradução de Mausoléu dos Amantes, de Hervé Guibert tem sido reconhecida por bolsas como a do PEN American Center e do Centre National du Livre de France. Ela vive em Chicago e leciona na School of the Art Institute.

http://polysemique.blogspot.com.br/

 

Leia entrevista com Nathanaël:

“Nós entendemos tudo errado, eu acho, em relação à organização dos sentidos e dos condutores venais que imaginamos para descrever corpos.”

 

A Bolha interviews Nathanaël:

“We have it all wrong, I think, the organisation of the senses, and the venal conduits we imagine to describe bodies.”